sexta-feira, 25 de maio de 2018

LÍRICAS REIVINDICAÇÕES DOS HOMENS (*)

Que quando chego do trabalho ela largue por um instante o que estiver fazendo - filho, panela ou computador - e venha me dar um beijo como os de antigamente. Que quando nos sentarmos à mesa para jantar ela não desfie a ladainha dos seus dissabores domésticos. E se for uma profissional, que divida comigo o tempo de comentarmos nosso dia. Que se estou cansado demais para fazer amor, ela não ironize nem diga que "até que durou muito" o meu desejo ou potência. Que quando quero fazer amor ela não se recuse demasiadas vezes, nem fique impaciente ou rígida, mas cálida como foi anos atrás. Que não tire nosso bebê dos meus braços dizendo que homem não tem jeito pra isso, ou que não sei segurar a cabecinha dele, mas me ensine docemente se eu não souber. Que ela nunca se interponha entre mim e as crianças, mas sirva de ponte entre nós quando me distancio ou me distraio demais. Que ela não me humilhe porque estou ficando calvo ou barrigudo, nem comente nossas intimidades com as amigas, como tantas mulheres fazem. Que quando conto uma piada para ela ou na frente de outros, ela não faça um gesto de enfado dizendo "Essa você já me contou umas mil vezes". Que ela consiga perceber quando estou preocupado com trabalho, e seja calmamente carinhosa, sem me pressionar para relatar tudo, nem suspeitar de que já não gosto dela. Que quando preciso ficar um pouco quieto ela não insista o tempo todo para que eu fale ou a escute, como se silêncio fosse falta de amor. Que quando estou com pouco dinheiro ela não me acuse de ter desperdiçado com bobagens em lugar de prover minha família. Que quando eu saio para o trabalho de manhã ela se despeça com alegria, sabendo que mesmo de longe eu continuo pensando nela. Que quando estou trabalhando ela não telefone a toda hora para cobrar alguma coisa que esqueci de fazer ou não tive tempo. Que não se insinue com minha secretária ou colega para descobrir se tenho amante. Que com ela eu também possa ter momentos de fraqueza e de ternura, me desarmar, me desnudar de alma, sem medo de ser criticado ou censurado: que ela seja minha parceira, não minha dependente nem meu juiz. Que cuide um pouco de mim como minha mulher, mas não como se eu fosse uma criança tola e ela a mãe, a mãe onipotente, que não me transforme em filho. Que mesmo com o tempo, os trabalhos, os sofrimentos e o peso do cotidiano, ela não perca o jeito terno e divertido que tanto me encantou quando a vi pela primeira vez. Que eu não sinta que me tornei desinteressante ou banal para ela, como se só os filhos e as vizinhas merecessem sua atenção e alegria. E que se erro, falho, esqueço, me distancio, me fecho demais, ou a machuco consciente ou inconscientemente, Ela saiba me chamar de volta com aquela ternura que só nela eu descobri, e desejei que não se perdesse nunca, mas me contagiasse e me tornasse mais feliz, menos solitário, e muito mais humano. (Copydesk/fragment by ES - Guardião Palavra)

quinta-feira, 17 de maio de 2018

ENTRE A ÁRVORE DA VIDA E O AMOR PLENO (*)

No interior de um trem, em imagens trepidantes de gravação caseira, a mulher diz ter renascido: ela vai à câmera, desliza pela mesa, cai, brinca e flerta com o companheiro. São imagens do cotidiano, do amor, de pessoas. Enquanto parecem nada fazer, tudo fazem. Elas vivem: seguem um caminho natural, enquanto o cineasta Terrence Malick tenta mostrar o quanto a vida pode ser bela, dura, e às vezes previsível. Sua mulher é a chave de Amor Pleno. Ela era também a chave de A Árvore da Vida: a mãe que traz para si o espírito, a paixão do filho, o contraponto ao pai bruto. Malick é um sábio: consegue converter Olga Kurylenko em uma mulher completa (ou quase) enquanto esculpe Ben Affleck como uma personagem de cinema mudo. Ele não precisa falar. Move-se. É duro, um homem de botas sujas, um homem que poderia deixar uma mulher à beira da estrada ao descobrir a traição dela. E deixará. Amor Pleno, fácil definir, é sobre o amor. Malick vai além: é sobre os desdobramentos do amor e a impressão de que nada, nesse mundo doente, pode ser pleno. O título nacional, assim, joga um pouco a favor do otimismo. A eternidade tem a ver com o espírito, com o sobrenatural, mas algo prende as personagens à materialidade. A mulher, Marina (Kurylenko), ama Neil (Affleck). Eles estão em viagem por terras distantes: aparentemente comuns a ela e estranhas a ele. Ela tem uma filha e já foi casada. O homem desapareceu como poeira no vento. A certa altura, Neil convida a mulher e a filha para seguirem aos Estados Unidos, à terra das oportunidades. Há sempre uma barreira. Também uma forma a sobrepor outra: a água que invade lentamente o campo da areia, as folhas secas e mortas que caem sobre a grama verde, o avião que corta o céu e deixa sua marca, a máquina que perfura o chão. Em jogo estão as questões da terra, questões materiais. Não custa muito lembrar a obra-prima de Malick, Cinzas no Paraíso, em que uma nuvem de gafanhotos destrói tudo ao fim, dando cabo de certo sonho humano. Ao mesmo tempo bíblico e material. O problema da terra, em Amor Pleno, tem a ver com o homem, e está de passagem. Em determinado ponto, descobre-se a contaminação da água – por consequência, da vida. O relacionamento de Marina e Neil, em paralelo, não anda bem: o visto dela vence e, em um táxi, simplesmente vai embora. Como poeira no vento. O que Malick traduz, ainda de maneira mais evidente que em A Árvore da Vida, é a fragilidade, a facilidade em se quebrar, em se sobrepor a algo, em se deixar levar às vezes pelo inexplicável. Ao mesmo tempo fortes, as personagens estão em dúvida: flutuam em sonho, nunca prontas para o mundo verdadeiro. A fotografia é do ótimo Emmanuel Lubezki, o mesmo de A Árvore da Vida. Pelas questões visuais, pelo rigor com o qual Malick tudo trata, é como se executasse, consciente, uma continuação de sua obra anterior. A origem da vida e o lugar de cada um no mundo ficaram para trás: suas personagens recaem agora ao amor, não apenas ao próximo, mas também a Deus. Brota disso o questionamento: pode ser eterno? Há um padre em dúvida, vivido por Javier Bardem. Na prisão, ele leva a comunhão aos detentos pelo pequeno vão da porta metálica. Ele – como as outras personagens de Malick – caminha sem caminho: pela rua, à sombra, embaixo das árvores, à porta de uma pessoa, falando com os outros sem falar muito, melancólico. As criações humanas de Malick parecem se repetir: delas, a vida surge de outra forma, como se mostrassem, em pele, o espírito. Isso é possível a partir de sua direção, na busca por belas imagens, às vezes nos mesmo locais em que esteve, antes, em A Árvore da Vida. Alguns momentos se repetem, até mesmo os enquadramentos. A vida se define às vezes pelo ciclo, pela repetição: eles conhecem-se, amam-se, casam-se, têm filhos. Não há muito a fazer senão crer na eternidade. É uma esperança, um remédio. (*) EUGENIO SANTANA é escritor, jornalista, ensaísta, redator publicitário e palestrante motivacional. Nove livros publicados. Membro da Academia Cachoeirense de Letras (ACL) e do Centro Cultural, Literário e Artístico de Portugal; sócio da ACI - Associação Catarinense de Imprensa e da UBE/SC - União Brasileira de Escritores. email: autoreugeniosantana9@gmail.com e WhatsApp (41) 99547-0100

quarta-feira, 16 de maio de 2018

RELAÇÕES VIRTUAIS (*)

Por que nos defendemos tanto da realidade, do olho no olho, das conversas (difíceis, sim, mas absolutamente necessárias)? Por que preferimos a fantasia e a distância a ter de nos mostrar, falar de nossos medos e desejos para a pessoa que dorme ao nosso lado? Creio que mais do que rotularmos como traidor aquele que mantém relações virtuais, ou traído por descobrir tal rota de fuga do parceiro, conseguiríamos respostas e resultados muito melhores se nos dispuséssemos a olhar para o que realmente está acontecendo em nossa relação real, no dia-a-dia, na comodidade da rotina, na desculpa da falta de tempo... Passamos horas e horas, madrugadas inteiras diante do computador, mas algo terrível acontece que não conseguimos dispor de meia hora para acariciar o outro e tentar iniciar uma conversa amigável e agradável... Definitivamente, uma verdade terei de admitir: é infinitamente mais fácil alimentar uma relação sem cheiro, sem toque, sem alteração de humor, sem a cobrança da presença, do olhar, da palavra embalada pelo tom, do que nos dispor a recomeçar, a fazer uma terapia, a rever nossos próprios atos e a perceber que também temos errado continuamente. Mas fica a questão: as relações virtuais são realmente capazes de nos preencher ou são, sobretudo, a sentença de nossa covardia diante da relação que temos vivido, não gostado, mas que não fazemos nada para mudar?!? Se você mantém uma relação virtual, sugiro que você ao menos desligue o computador por uma noite e olhe para a sua realidade. Sente-se na cama, segure a mão desta pessoa que dorme com você e atreva-se a dizer: o que é que tem acontecido com o amor da gente?!? Por onde ele anda? Será que conseguimos trazê-lo de volta, considerando tudo o que já vivemos, já construímos e o tanto que desejamos ser felizes?!? E se você descobriu que a pessoa amada mantém relações virtuais, sugiro que você apazigúe seu ego e deixe seu coração falar... Aproxime-se e arrisque uma declaração verdadeira e não uma pedrada. Talvez uma confissão: tenho sentido tanto a sua falta, ultimamente. Gostaria de ao menos poder conversar, saber o que anda acontecendo na sua vida. Talvez, assim, possamos resgatar o amor que já foi tão grande e tão forte entre nós... Cara!!! Vou te dizer! Eu sei que é muito difícil fazer isso!!! Mas você tem duas opções: ou toma uma atitude para tentar salvar a sua relação real... ou afoga-se na ilusão depressiva de que alguém que você nunca viu possa te amar mais do que esta pessoa que está ao seu lado... Porque o fato é que ninguém existe sem ser tocado, sem ser visto, sem ser compartilhado... e isso é absolutamente impossível no mundo virtual. Relações virtuais podem ser uma ótima medida paliativa, mas jamais será o que o seu coração realmente deseja! (*) Eugenio Santana – Jornalista, escritor, publicitário, ensaísta, biógrafo, relações públicas, assessor de comunicação e palestrante motivacional. Nove livros publicados. 41 - 99547-0100 (WhatsApp). Atualmente, radicado em Curitiba, PR.

segunda-feira, 14 de maio de 2018

A INSACIÁVEL FOME DO AMOR...

O amor comeu minhas roupas, meus lenços, minhas camisas. O amor comeu metros e metros de gravatas. O amor comeu a medida de meus ternos, o número de meus sapatos, o tamanho de meus chapéus. O amor comeu minha altura, meu peso, a cor de meus olhos e de meus cabelos. O amor comeu meus remédios, minhas receitas médicas, minhas dietas. Comeu minhas aspirinas, minhas ondas-curtas, meus raios-X. Comeu meus testes mentais, meus exames de urina. O amor comeu na estante todos os meus livros de poesia. Comeu em meus livros de prosa as citações em verso. Comeu no dicionário as palavras que poderiam se juntar em versos. Faminto, o amor devorou os utensílios de meu uso: pente, navalha, escovas, tesouras de unhas, canivete. Faminto ainda, o amor devorou o uso de meus utensílios: meus banhos frios, a ópera cantada no banheiro, o aquecedor de água de fogo morto mas que parecia uma usina. O amor comeu meu nome, minha identidade, meu retrato. O amor comeu minha certidão de idade, minha genealogia, meu endereço. O amor comeu meus cartões de visita. O amor veio e comeu todos os papéis onde eu escrevera meu nome. O amor voltou para comer os papéis onde irrefletidamente eu tornara a escrever meu nome. O amor roeu minha infância, de dedos sujos de tinta, cabelo caindo nos olhos, botinas nunca engraxadas. O amor roeu o menino esquivo, sempre nos cantos, e que riscava os livros, mordia o lápis, andava na rua chutando pedras. Roeu as conversas, junto à bomba de gasolina do largo, com os primos que tudo sabiam sobre passarinhos, sobre uma mulher, sobre marcas de automóvel. O amor comeu meu Estado e minha cidade. Drenou a água morta dos mangues, aboliu a maré. Comeu os mangues crespos e de folhas duras, comeu o verde ácido das plantas de cana cobrindo os morros regulares, cortados pelas barreiras vermelhas, pelo trenzinho preto, pelas chaminés. Comeu o cheiro de cana cortada e o cheiro de maresia. Comeu até essas coisas de que eu desesperava por não saber falar delas em verso. O amor comeu até os dias ainda não anunciados nas folhinhas. Comeu os minutos de adiantamento de meu relógio, os anos que as linhas de minha mão asseguravam. Comeu o futuro grande atleta, o futuro grande poeta. Comeu as futuras viagens em volta da terra, as futuras estantes em volta da sala. O amor comeu minha paz e minha guerra. Meu dia e minha noite. Meu inverno e meu verão. Comeu meu silêncio, minha dor de cabeça, meu medo da morte. (copydesk/fragment by ES - Guardião da Palavra)

sábado, 5 de maio de 2018

O FATOR EDIPIANO: RELACIONAMENTO ÍNTIMO COM A MÃE (*)

Segundo o mestre da psicanálise, Sigmund Freud, o período característico da luta edipiana costuma ser localizado entre os três e os seis anos de idade. Desde seu nascimento, o bebê mantém um relacionamento extremamente íntimo com sua mãe. Depende dela para tudo e, inicialmente, tende a encará-la como uma espécie de prolongamento de suas próprias necessidades. Aos poucos, contudo, aprende a vê-la como uma pessoa separada dele. Separada e diferente: ela não tem pênis; e papai tem. Entre os dois anos e meio e os três seu interesse pelo próprio pênis aumenta consideravelmente. Tornam-se comuns as observações orgulhosas do tipo “olha o meu pintinho, como é grande”. A masturbação é muito comum nessa fase, produzindo prazer e excitação evidentes. O menino continua muito apegado à mãe e, com o começo da fase edipiana, seu afeto expande-se num amor intenso e apaixonado, que inclui sensações centralizadas nos órgãos sexuais. Provavelmente, não tem uma ideia muito clara sobre o aspecto sexual do relacionamento entre seus pais, mas sente que existe entre os dois um segredo perturbador. E relaciona esse segredo, do qual é excluído, com sua excitação genital. Tem grande curiosidade a respeito da origem dos bebês – de onde vêm, como chegam ao mundo. Talvez faça centenas de perguntas concernentes ao assunto, sem que as respostas o satisfaçam inteiramente, pois é incapaz de expressar suas dúvidas sobre os problemas que realmente o preocupam. O amor do menino pela mãe, nessa fase, é extremamente exclusivista. Ele quer afastar todos os “rivais”, ou seja, os irmãos e o pai. Este, devido ao seu relacionamento especial com a mãe, concentra o ciúme e os impulsos agressivos da criança. Contudo, sua raiva entra em conflito com os sentimentos de amor e admiração que ela nutre pelo pai. Também teme que seus impulsos violentos provoquem represálias. O fato de relacionar a excitação genital com o intenso sentimento possessivo dirigido à mãe faz com que o menino atribua a essa excitação qualquer ameaça de represália por parte do pai. Via de consequência, ele teme perder o seu precioso pênis. Já observou que certas pessoas não têm pênis – a mãe e as meninas – e isto o convence de que pode perder o seu. Quanto mais intensa for sua paixão pela mãe, e os sentimentos de hostilidade pelo pai, tanto maior e mais real será seu medo de castração. Projeta sobre o pai os próprios desejos destrutivos, e se convence de que tem bons motivos para odiá-lo. (*) por EUGENIO SANTANA, Jornalista, Escritor, Ensaísta, Relações públicas, Publicitário e Analista de Marketing digital. Pertence à Academia de Letras de Uruguaiana-RS, UBE-GO/SC - União Brasileira de Escritores. Autor de nove livros publicados. Coordenador executivo da Sampa Publicidade Editora. E-mail: autoreugeniosantana9@gmail.com - WhatsApp: (41) 99547-0100

domingo, 29 de abril de 2018

SABEDORIA: CAPACIDADE DE SABOREAR O MUNDO (*)

Conheço muitos testes de inteligência. Não conheço nenhum teste de sabedoria. É fundamental saber a diferença entre essas duas, inteligência e sabedoria, frequentemente confundidas. A inteligência é a nossa capacidade de conhecer e dominar o mundo. Ela tem a ver com o poder. A sabedoria é o êxtase de saborear o mundo. Ela tem a ver com a felicidade. As escolas se dedicam a desenvolver e avaliar a inteligência. Para isso desenvolveram testes. Os testes avaliam a inteligência dos alunos por meio de números. Mas elas nada sabem sobre a sabedoria, e nem elaboram testes para avaliá-la. Nas escolas e universidades, muitos idiotas são aprovados. A inteligência é muito importante. Ela nos dá os “meios para viver”. Mas somente a sabedoria é capaz de nos dar “razões para viver”. Muitas pessoas se suicidam porque, tendo todos os “meios para viver”, não tinham as “razões para viver”. Proponho-lhe um teste de sabedoria. Ele é muito simples. O seu aniversário está chegando. Você já não é mais jovem. O espelho lhe revela coisas que você não gostaria de saber. Diante de sua imagem no espelho existe sempre o perigo de que uma magia perversa aconteça, e você seja repentinamente transformado em bruxa ou ogro – tal como aconteceu com a madrasta de Branca de Neve. Em desespero, você invoca os deuses. Eles vêm em seu auxílio e lhe dizem que atenderão a um desejo seu, a um único desejo. Que súplica você lhes faria? Digo-lhe que essa seria a hora da pureza de coração, quando todos os supérfluos têm de ser deixados de lado. “Pureza de coração” – assim disse Kierkegaard, meu querido filósofo solitário, companheiro já morto; por vezes os mortos são companhia melhor que os vivos, porque falam menos e ouvem mais – pureza de coração, ele disse, “é desejar uma só coisa”. Digo que isso é sabedoria, mas pode parecer mais coisa de neurótico obsessivo, ficar querendo uma coisa só, o tempo todo. Você entenderá o que digo se você prestar atenção no voo dos pássaros. E, para ajudá-lo nesse dever de casa, transcrevo o que Camus pensou, ao observá-los. “Se durante o dia o voo dos pássaros parece sempre sem destino, à noite, dir-se-ia reencontrar sempre uma finalidade. Voam para alguma coisa. Assim talvez, na noite da vida...” O texto termina assim, com essas reticências que, segundo Mario Quintana, são o caminho que o pensamento deve continuar a seguir. Assim é o coração. Há momentos na vida em que ele é como o voo dos pássaros durante o dia: oscila em todas as direções, sem saber direito o que quer, ao sabor das dez mil coisas que o fascinam, tão desejáveis, cada uma delas uma taça de êxtase supremo. Chega um momento, entretanto, em que é necessário escolher uma direção – é preciso descobrir aquela palavra, aquela única palavra que dá nome ao nosso sofrimento, que nomeia a nossa nostalgia, para que saibamos para onde ir. Há um ditado que diz que a melhor comida é angu com fome. Que adianta o bufê servido com dez mil pratos se o corpo não deseja nenhum? Mas se existe a fome, feijão com arroz é uma alegria incontida. Felizes os que têm fome... Os poetas rezam sempre. Rezam porque a poesia é coisa que se escreve diante do vazio, mínima refeição de palavras para matar uma fome que não pode ser matada: A fome de viver. Os poetas sabem que é inútil que se comprem todas as coisas. Diferentemente daqueles que rezam para que Deus lhes encha a barriga, eles rezam para que nunca deixem de ter fome. Porque, se deixarem de ter fome, eles deixarão de ser poetas. Nada mais triste que um corpo sem desejo. Disso sabem muito bem os que amam. Vejam essa terrível oração de T.S. Eliot: “Salva-me, ó Deus, da dor do amor não correspondido, e da dor muito maior do amor correspondido”. (*) EUGENIO SANTANA é escritor e jornalista. Nove livros publicados. Membro da Academia Cachoeirense de Letras (ACL), da Associação Uruguaianense de Escritores e Editores e do Centro Cultural, Literário e Artístico de Portugal; sócio da ACI - Associação Catarinense de Imprensa e da UBE/SC - União Brasileira de Escritores. email: autoreugeniosantana11.11@gmail.com e WhatsApp (41) 99547-0100

sábado, 28 de abril de 2018

"ORAPRONÓBIS" - DECLARAÇÃO DE AMOR À PARACATU, MG (*)

“Ser Mineiro é não dizer o que faz, nem o que vai fazer, é falar pouco e escutar muito, é ser diferente, é ter marca registrada, é ter história. Ser Mineiro é ter simplicidade e pureza, coragem e bravura, fidalguia e elegância. Ser Mineiro é ver o nascer do Sol e o brilhar da Lua, é ouvir o canto dos pássaros e o mugir do gado, é sentir o despertar do tempo e o amanhecer da vida. É cultivar as letras e as artes; é ser poeta e literato.” Surpreendentes são estes guardados raros, oriundos das asas da memória privilegiada deste autor de vasta cultura geral, o brilhante intelectual – eternamente jovem octogenário – professor Oswaldo Costa. Mesclando realidade e ficção – algo inédito e singular na literatura brasileira – o escritor constrói e estrutura um calidoscópio de personagens que sustentam a trama com instigante leveza. Intercalam-se, simultaneamente, romance, memória, ensaio e história. Ressaltamos tratar-se de um rico painel de mineiridade: usos e costumes, folclore; religiosidade e originalidade da linguagem regionalista, típica das décadas de 30, 40, 50 e 60 e a riqueza de detalhes da opulenta culinária mineira. A propósito, considero oportuno e providencial o lançamento de Orapronóbis que me fez lembrar, com imensa ternura, do livro “Grande Sertão: Veredas”, do incomparável Guimarães Rosa, publicado em abril de 1956, completando, portanto, meio século da primeira edição! Acredito, sinceramente, que dificilmente a histórica “prisioneira das distâncias” tenha sido lembrada e homenageada, com inefável carinho, da forma especial como está retratada em Orapronóbis. Ao abrirmos a “caixa preta” das 384 páginas mágicas de Orapronóbis teremos ecos e ressonâncias impressionantes, agradáveis surpresas, descobertas e revelações de alta voltagem literária, filosófica, histórica e sentimental que resgata e testemunha um tempo de bem-aventuranças... Quanto a mim, empreendi uma insólita viagem nas asas do tempo e mergulhei fundo nas águas do meu chão de infância – e metade da adolescência – ricamente vivenciados em Orapronóbis. Fiz minha autoterapia de vida passada e viajei – mineiro-menino – e ouvi muitas vozes de antanho: “caçando passarinho” nos brejos de buritis, pescando traíras nas verdes veredas de águas cristalinas, chupando – até o caroço – as mangas dulcíssimas do enorme quintal e as gabirobas e araticuns nos largos campos e cerrados da “Lagoa Torta”, fazenda de quatrocentos alqueires, que pertenceu à minha altruística e heróica tia-avó Bertholina Josefina de Sant’Anna que, posteriormente, legou – via generosa herança – aos meus pais Fabião Couto (em memória) e Adília Santana, que por lá permaneceram e laboraram entre 1972/80, até retornarem em definitivo para Goiás, especificamente para Anápolis, urbe na qual, coincidentemente, o dileto autor e prestigiado conterrâneo radicou-se em 1955. Constatei, perplexo, que a famigerada “Coluna Prestes” usava de métodos nada ortodoxos, utilizando-se, quando necessário, de extrema violência para cumprir seus “objetivos comunistas”, tendo espalhado o terror em sua efêmera e desastrosa passagem por Paracatu, deixando marcas profundas e traumáticas na índole e na alma pacífica e acolhedora dos paracatuenses. E para minha surpresa maior, fiquei sabendo que o Toco do Pecado – cantado em verso e prosa – instalado frente à Igreja Matriz de Santo Antônio – verdadeiro tribunal de notícias, jornal verbal ou cultura oral? (sic) – já existia desde a década de 40. Incrível! Meu tio – o mais loquaz e verborrágico - Francisco de Assis Santana, participava ativamente das “rodadas de negociações” e batia “seu ponto”, com inegável assiduidade, no banco da fofoca, por volta de 1960/1980. A simples menção das fazendas tocaram-me a alma, a mente e o coração. Algumas conheci e usufrui; outras só mesmo através do comentário de parentes fazendeiros. Ei-las: Santa Maria, Vera Cruz, Bom Sucesso, Alegria, Mundo Novo, Chapada, Água Fria, Aldeia de Cima, Poções, Quebra-Eixo, Palmital e a inesquecível Lagoa Torta... Nostálgicas saudades! Não tenho dúvida em relação ao êxtase cósmico experimentado pelas almas-alada de alguns personagens – fictícios ou não – tais como: Sô Homero (alter ego do coronel Chico Pinheiro), Tia Teca, o genial professor Josino Neiva, Emídio (o farmacêutico), o romântico, corajoso e habilidoso vaqueiro Urias (que lembra, de certa forma, o meu pai), Nora, Nezinho (que fim trágico!), Tim Jordão, Zabé, Lázaro, Vicente, Otílio, Zé da Anta (meu vovô Zé Santana), Chico Cabaú que muito alegrou a minha infância no bairro Bela Vista; bem como o Padre Joca – que nasceu em Pirenópolis: cidade goiana que me faz recordar a nossa Paracatu do príncipe -, aonde quer que se encontrem: orai, por nós! Contritos e genuflexos e sob a Luz do Altíssimo, todos eles te agradecem, ilustre escritor Oswaldo Costa, pelo legado desta sua magnífica obra! E qual é a missão do escritor, meu caro professor Oswaldo? Respondo com o verbo emprestado da notável Lygia Fagundes Teles: “a função do escritor? Ser testemunha do seu tempo e da sua sociedade. Escrever por aqueles que não podem escrever. Falar por aqueles que muitas vezes esperam ouvir da nossa boca a palavra que gostaria de dizer. Comunicar-se com o próximo e se possível, mesmo por meio de soluções ambíguas, ajudá-lo no seu sofrimento e na sua esperança”. Que as bibliotecas brasileiras, especialmente mineiras, goianas, gaúchas e cariocas providenciem – com a máxima brevidade – a inserção de um exemplar deste valioso livro, catalogando-o em todas as Estantes de seus respectivos acervos. Ora pro nobis, Paracatu! Assim seja! (*) EUGENIO SANTANA é escritor e jornalista. Nove livros publicados. Membro da Academia Cachoeirense de Letras (ACL), da Associação Uruguaianense de Escritores e Editores e do Centro Cultural, Literário e Artístico de Portugal; sócio da ACI - Associação Catarinense de Imprensa e da UBE/SC - União Brasileira de Escritores. email: autoreugeniosantana11.11@gmail.com e WhatsApp (41) 99547-0100

sexta-feira, 27 de abril de 2018

A OBRA-PRIMA DE CADA UM (*)

Toda escultura nasceu de uma matéria bruta, até ter sua essência revelada. O que é um ser humano, senão matéria bruta a ser esculpida? Passamos a vida tentando nos livrar dos excessos que escondem o que temos de mais bonito. Fico me perguntando quem seria nosso escultor. Um grupo vai reivindicar que é DEUS, mas por mais que ELE ande com a reputação em alta, discordo. Tampouco creio que seja pai e mãe (ambos já se foram, vale salientar), apesar da bela mãozinha que eles dão ao escultor principal; o tempo, é óbvio. Pai e mãe começam o trabalho, mas é o tempo que nos esculpe, e ele não tem pressa alguma em terminar o serviço, até porque sabe que todo ser humano é uma sinfonia inacabada. Levamos décadas até chegarmos a um rascunho bem-acabado de nós mesmos, que é o máximo que podemos almejar. Quando jovens, temos a arrogância e a prepotência de achar que sabemos muito, e, no entanto, é justamente esse “muito” que precisa ser desbastado pelo tempo até que se chegue no cerne, na parte mais central da nossa identidade, naquilo que fundamentalmente nos caracteriza. Amadurecer é passar por esse refinamento, deixando para trás o que for gordura, o que for pastoso, o que for desnecessário, tudo aquilo que pesa e aprisiona, a matéria inútil que impede a visão do essencial, que camufla a nossa verdade. O que o tempo garimpa em nós? O verdadeiro sentido da nossa vida. O tempo, escultor de todos nós, age da mesma forma: de uma hora para a outra, dá seu trabalho por encerrado. Mas enquanto ele ainda está a nosso serviço, que o ajudemos na missão de deixar de lado os nossos excessos de vaidade, de narcisismo, de futilidade. Que finalmente possamos expor o que há de mais precioso em você, em mim, em qualquer pessoa: nosso afeto e generosidade. Essa é a obra-prima de cada um, extraída em meio ao entulho que nos cerca. (*) EUGENIO SANTANA é escritor e jornalista. Nove livros publicados. Membro da Academia Cachoeirense de Letras (ACL), da Associação Uruguaianense de Escritores e Editores e do Centro Cultural, Literário e Artístico de Portugal; sócio da ACI - Associação Catarinense de Imprensa e da UBE/SC - União Brasileira de Escritores. email: autoreugeniosantana11.11@gmail.com e WhatsApp (41) 99547-0100

quinta-feira, 26 de abril de 2018

O AMOR ABRE NOSSOS OLHOS CEGOS PARA A BELEZA (*)

O Amor é o poder que dentro de nós aceita e valoriza o outro ser humano tal como ele é, que aceita a pessoa que ali está, verdadeiramente, e não a transforma no ser idealizado pela nossa projeção. O amor nos faz respeitar a pessoa como um todo. O amor permite ao homem ver o valor intrínseco na mulher, e por isso mesmo o amor o leva a honrá-la e a servi-la, ao invés de usá-la para os interesses de seu ego. Quando tem o amor por guia, ele se preocupa com as necessidades dela e com seu bem-estar, não se fixando em seus próprios desejos e caprichos. O amor altera nosso senso de importância. Pelo amor vemos que nós e os outros temos o mesmo valor como indivíduos diante o cosmo; torna-se tão importante para nós que um ser se complete, que viva plenamente, que encontre a alegria na vida, quanto nos é importante suprir nossas próprias necessidades. No mundo do inconsciente, o amor é uma das grandes forças psicológicas que têm o poder de transformar o ego, de despertá-lo para a existência de algo fora dele mesmo, fora de seus planos, de seu império, fora de sua habitual segurança. O amor liga o ego não somente ao resto da raça humana, como também à alma e a todos os deuses do mundo interior. O amor é, por sua própria natureza, o oposto do egocentrismo. Usamos a palavra amor de maneira muito vaga, nós a usamos para dar dignidade às formas de conseguir poder, atenção, segurança e aceitação por parte de outras pessoas. Quando, porém, nos preocupamos com as “necessidades” criadas por nós, com os nossos desejos, sonhos, com o poder que exercemos sobre as pessoas, isto não é amor. O amor é algo totalmente distinto dos desejos do ego e de seus jogos de poder. Ele leva a outra direção, ou seja, em direção à bondade, ao respeito, às necessidades das pessoas que nos cercam. Em sua própria essência, o amor é uma “apreciação”, um reconhecimento do valor do outro. Ele leva o homem a honrar a mulher, ao invés de usá-la, faz com que ele se pergunte sobre a melhor forma de servi-la. E se a mulher estiver ligada a ele pelos laços do amor, terá essa mesma atitude com relação a ele. A natureza arquetípica do amor talvez jamais tenha sido melhor descrita que nas palavras simples da carta de São Paulo, aos Coríntios: O amor é paciente, é bom; o amor não inveja; o amor não se vangloria e não se envaidece... O amor não procura seus próprios interesses, não se irrita, não folga com a injustiça... Suporta todas as coisas, resiste a todas as coisas. As profecias falharão, as línguas se calarão, a ciência desaparecerá. Mas o amor jamais há de falhar. (*) EUGENIO SANTANA é escritor e jornalista. Nove livros publicados. Membro da Academia Cachoeirense de Letras (ACL), da Associação Uruguaianense de Escritores e Editores e do Centro Cultural, Literário e Artístico de Portugal; sócio da ACI - Associação Catarinense de Imprensa e da UBE/SC - União Brasileira de Escritores. email: autoreugeniosantana11.11@gmail.com e WhatsApp (41) 99547-0100

segunda-feira, 23 de abril de 2018

A SOLIDÃO DE SER DIFERENTE (*)

Parece que há em nós cantos sombrios que toleram apenas uma luz bruxuleante. Um coração sensível gosta de valores frágeis. Entre as muitas coisas profundas que Sartre disse, esta é a que mais amo: “Não importa o que fizeram com você. O que importa é o que você faz com aquilo que fizeram com você”. Pare. Leia de novo. E pense. E reflita. Você lamenta essa maldade que a vida está fazendo com você, a solidão. Se Sartre está certo, essa maldade pode ser o lugar onde você vai plantar o seu jardim. Nietzsche também tinha a solidão como sua companheira. Sozinho, doente, tinha enxaquecas terríveis que duravam três dias e o deixavam cego. Ele tirava suas alegrias de longas caminhadas pelas montanhas, da música e de uns poucos livros que ele amava. Eis aí três companheiras maravilhosas! Vejo, frequentemente, pessoas que caminham por razões de saúde, incapazes de caminhar sozinhas, vão aos pares, aos bandos. E vão falando, falando, sem ver o mundo maravilhoso que as cerca. Falam porque não suportariam caminhar sozinhas. E, por isso mesmo, perdem a maior alegria das caminhadas, que é a alegria de estar em sintonia com a Natureza. Elas não veem as árvores, nem as flores, nem as nuvens, nem sentem a asa do vento acariciar o rosto. Que troca infeliz! Trocam as vozes do silêncio pelo diálogo prolixo e vulgar. Se estivessem a sós com a natureza, em silêncio, sua solidão tornaria possível que elas ouvissem o que a natureza tem a dizer. O estar juntos não quer dizer comunhão. O estar juntos, frequentemente, é uma forma terrível de solidão, um subterfúgio para evitar o contato com nós mesmos. Sartre chegou ao ponto de dizer que “o inferno são os outros”. Eis o que Nietzsche escreveu sobre a solidão: “Ó solidão! Solidão, meu lar!... tua voz – ela me fala com ternura e felicidade! Não discutimos, não queixamos e muitas vezes caminhamos juntos através de portas abertas. Pois onde quer que estas, ali as coisas são abertas e luminosas. E ate mesmo as horas caminham com pés saltitantes. Ali as palavras e os tempos, poemas de todo o ser se abrem diante de mim. Ali todo ser deseja transformar-se em palavra, e toda mudança pede para aprender de mim falar”. Rainer Maria Rilke, um dos poetas mais solitários e densos que conheço, disse o seguinte: “As obras de arte são de uma solidão infinita”. E na solidão que elas são geradas. Foi na casa vazia, num momento solitário, que o operário viu o mundo pela primeira vez e se transformou em poeta. O primeiro filosofo que li, o dinamarquês Soeren Kierkegaard, um solitário que me faz companhia ate hoje, observou que o inicio da infelicidade humana se encontra na comparação. Experimentei isso em minha própria pele. Foi quando eu, menino do interior de uma cidadezinha de Minas Gerais, me mudei para o Rio de Janeiro que conheci as dificuldades. Comparei-me com eles: cariocas, perspicazes, bem falantes, ricos. Eu diferente, sotaque ridículo, gaguejando de vergonha, pobre: entre eles eu não passava de um patinho feio que os outros se compraziam em bicar. Nunca convidei nenhum deles a ir onde eu morava: no apartamento do meu tio, na rua Senador Vergueiro, no bairro do Flamengo. Eu não me atreveria. Conheci, então, a solidão. A solidão de ser diferente. E sofri muito. Nem sequer me atrevi a compartilhar com meus pais esse meu sofrimento. Seria inútil. Eles não compreenderiam. E mesmo que compreendessem, eles nada podiam fazer. Assim, tive de sofrer a minha solidão duas vezes sozinho. Mas foi nela que se formou aquele que sou hoje. As caminhadas pelo deserto me fizeram forte. Aprendi a cuidar de mim mesmo. E aprendi a buscar as coisas que, para mim, solitário, faziam sentido. Como, por exemplo, a musica clássica, a beleza que torna alegre a minha solidão... Sofra a dor real da solidão porque a solidão dói. (*) EUGENIO SANTANA é escritor e jornalista. Nove livros publicados. Membro da Academia Cachoeirense de Letras (ACL), da Associação Uruguaianense de Escritores e Editores e do Centro Cultural, Literário e Artístico de Portugal; sócio da ACI - Associação Catarinense de Imprensa e da UBE/SC - União Brasileira de Escritores. email: autoreugeniosantana11.11@gmail.com e WhatsApp (41) 99547-0100

domingo, 15 de abril de 2018

ESCOLHAS (*)

Inquestionavelmente, você passará, e mais de uma vez no decorrer de sua vida, por dúvidas cruciais concernente aos caminhos a percorrer em busca da idealizada felicidade. São situações únicas nas quais escolhas precisam ser feitas, decisões devem ser tomadas e a protelação apenas alimenta e aumenta a angústia, a ansiedade, a frustração e a insatisfação. Nestas ocasiões, é comum declarar não saber o que se quer. Decerto, os primeiros questionamentos são com relação ao sentido da própria vida, levando ao entendimento de que se trata de uma “crise existencial”, na qual imperam o vazio e o caos. O fato é que este é um momento singular para grande reflexão pessoal a fim de identificar, reconhecer e enfrentar esta crise. É hora de questionar valores, encontrar novas referências, compreender transformações, acolher mudanças ou promover rupturas. Você controla seus pensamentos, amadurece suas emoções e decide sair da zona de conforto, abandonando o comodismo e o conformismo, buscando soluções para seus problemas em lugar de culpados. Por se tratar de um processo, não é algo que será resolvido em um único final de semana. Por isso, é importante ter paciência e dar tempo ao tempo. Interprete esta fase como um período de aprendizado que poderá levar você ao crescimento, à evolução e à superação. Lembre-se de formular muitas perguntas – e buscar respostas para a maioria delas. E embora as tais respostas devam vir de você mesmo, convém consultar terceiros, porém com parcimônia, pois respostas desencontradas podem mais desorientar do que ajudar. Saber o que não quer, também é um grande progresso. Assim é o estudante diante da escolha de qual carreira seguir, que embora frente a múltiplas possibilidades, tem ao menos a convicção de que selecionar Administração exclui Medicina, uma inclinação ao Direito enfraquece a opção por Engenharia, e vice-versa. O profissional em transição de carreira pode ter dúvidas entre pedir demissão e procurar outra empresa, tornar-se consultor, abrir um empreendimento próprio, fazer um concurso público ou mesmo tirar um período sabático para reflexão. Mas será um grande avanço saber que não pretende continuar em seu atual emprego, visto que desestimulado seja pela falta de desafios, oportunidades, reconhecimento ou clima organizacional agradável. Analogamente, um relacionamento conjugal desgastado, arrasta-se e sucumbe de tal forma que a separação não decorre porque se deseja ficar só ou buscar a companhia de outra pessoa, mas apenas porque não se deseja continuar ao lado de quem está hoje. Nossa vida, nos dias atuais, tornou-se alienante, diante de sua rapidez e senso constante de urgência. Deixamos de valorizar o que temos para projetar o que não temos, com base nas imposições da sociedade e no ideal de status. O que realmente vale a pena é aquilo que nos traz serenidade, harmonia e paz no coração. Que nos permite sorrir de forma autêntica e compartilhar da convivência das pessoas que apreciamos. Que nos possibilita recostar a cabeça no travesseiro no final do dia e dormir o sono leve, acolhedor e reconfortante de quem fez o melhor e se prepara para um novo e promissor amanhecer. (*) EUGENIO SANTANA é escritor e jornalista. Nove livros publicados. Membro da Academia Cachoeirense de Letras (ACL), da Associação Uruguaianense de Escritores e Editores e do Centro Cultural, Literário e Artístico de Portugal; sócio da ACI - Associação Catarinense de Imprensa e da UBE/SC - União Brasileira de Escritores, Florianópolis-SC. email: autoreugeniosantana11.11@gmail.com e WhatsApp (41) 99547-0100

quinta-feira, 12 de abril de 2018

O NAVIO DO TEMPO (*)

Um dia é feito de tantos fragmentos, pedaços sujos de estrelas, papéis mofados e carcomidos; crepúsculos e auroras, caminhos que levam a nada. Um dia é feito de portas que se abrem para o limo das palavras: uma lua de papel habita essa terra desabitada. Nas encruzilhadas cavalos dormem um sono cheio de signos e suas crinas trançadas com o lusco-fusco das estradas. As amáveis pessoas que conheci à margem da vida e que me escaparam das mãos de maneira ou de outra como um pássaro escapa, como um sopro escapa de dentro dos ossos voltem, me enlacem e me envolvam e me ajudem a suportar o peso quieto das palavras e o rumor invisível das águias. Por que se perderam de mim essas doces pessoas? Tragam de volta seus rostos como frutas de seda numa bandeja, como borboletas noturnas, lilases. Assim, farejo minhas raízes de frente para o passado nos meus olhos. Antepassados navegam em veleiros espantados. Suas histórias se enredam como flores no concreto, ritos e amores o chão lavado para os momentos sagrados. Um arco de violino toca sete notas nas asas do vento. Fecho os olhos submerso em seus cânticos lamentáveis. O encanto se desmancha. Estou só com o meu destino. Carrego breve a minha cruz. E um retrato entrecortado roído nas bordas pelos ratos que dormem nos porões da memória. Pelos ratos que acordam quando o navio do tempo faz água. Um corte, um hiato, o tempo se contrai e se dilata: quem era eu nesse retrato, quem eram todos aqueles que a vida engoliu? (*) Por EUGENIO SANTANA, FRC - Escritor, jornalista, editor, ensaísta, romancista, redator publicitário. Da Academia de Letras de Uruguaiana/RS e sócio da UBE/SC - União Brasileira de Escritores. Autor de nove livros publicados

O TÃO ESPERADO POR MUITOS ACONTECEU: LULA ESTÁ PRESO (*)

Talvez nunca antes na história deste país se tenha soltado foguete pela prisão de um homem. Os ansiosos tiveram de suportar 26 horas de 50 horas de espera até Lula se entregar à Polícia Federal. Uma decisão do juiz Sérgio Moro frustrou expectativas: não foi possível usar algemas. Não é que Lula pudesse representar perigo, mas, do ponto de vista da sociedade do espetáculo, no entender de parte da população, a imagem, a foto, ficaria muito melhor. O que vem agora? O que vem por aí? O jornal francês “Le Monde” publicou editorial, espaço reservado para os assuntos mais importantes, sobre esse desfecho e sobre o futuro com um título de romance: “A desgraça de um presidente”. No texto, uma frase soa épica: “Grandeza e decadência de uma nação. Graça e desgraça de um Estadista”. O jornal louva o combate à corrupção da Lava Jato, mas se permite algumas observações: “A operação deve demonstrar ao país que a prisão de Lula não é um ato político. Que a prisão daquele que permanecerá como um dos líderes mais notáveis do país não significa o fim das ações. Depois de atingir figuras do Partido dos Trabalhadores até chegar ao seu líder histórico, a ‘Lava Jato’ deve atacar com igual severidade os outros caciques dos partidos do centro ou da direita”. Vai fazer isso? O célebre e influente jornal francês, um dos mais respeitados do mundo por sua seriedade e por sua coragem, questiona as diferentes velocidades de investigação no contexto mais amplo das instituições brasileiras: “Aécio Neves, candidato à presidência em 2014 contra Dilma Rousseff, é suspeito de corrupção passiva e obstrução da justiça. Mas seu caso ainda não foi examinado pela Suprema Corte, apesar do pedido da Procuradora-Geral da República (…) há várias acusações contra Michel Temer. Mas estas permanecem bloqueadas pelo Congresso Nacional”. Vale lembrar quando o STF quer ele quebra o “foro privilegiado”. Exemplos não faltam. Quando não quer, deixa o parlamento decidir. A abertura do editorial certamente não agradará a muitos brasileiros: “A tentação é grande de confundir o destino de Luiz Inácio Lula da Silva com o do Brasil. Uma nação emergente que, sob a presidência do ex-sindicalista, entre 2003 e 2010, embriagada de petróleo e empanturrada de soja, cana-de-açúcar e café, reduziu drasticamente a desigualdade, melhorou a educação e brilhou no cenário internacional. Hoje, o país está retornando à extrema violência, a miséria persiste, enquanto escândalos de corrupção pontuam as notícias políticas”. A prisão de Lula suscita reflexões quase por toda parte. (*) EUGENIO SANTANA é escritor e jornalista. Nove livros publicados. Membro da Academia Cachoeirense de Letras (ACL), da Associação Uruguaianense de Escritores e Editores e do Centro Cultural, Literário e Artístico de Portugal; sócio da ACI - Associação Catarinense de Imprensa e da UBE/SC - União Brasileira de Escritores, Florianópolis-SC. email: autoreugeniosantana11.11@gmail.com e WhatsApp (41) 99547-0100

ESSE É O DESTINO DA VIDA HUMANA? (*)

Não viemos ao planeta para nos desenvolver... Viemos à vida tentando ser felizes. Porque a vida é curta e está passando. E nenhum bem vale tanto quanto a vida. Isto é elementar. Existem 7 bilhões de pessoas vivendo no mundo. No ano 2050, haverá 9 bilhões; uma em cada cinco pessoas (1,4 bilhão) vive com 1,25 dólar por dia ou menos; um bilhão e meio de pessoas não têm acesso à eletricidade; dois bilhões e meio de pessoas não têm banheiro; quase 1 bilhão de pessoas passa fome todos os dias; as emissões de gases do efeito estufa continuam aumentando, e mais de um terço de todas as espécies conhecidas pode entrar em extinção. E a gente se faz esta pergunta: esse é o destino da vida humana? Estas coisas que digo são muito elementares: o desenvolvimento não pode ser contra a felicidade. Tem que ser a favor da felicidade humana, do amor sobre a Terra, das relações humanas, do cuidado com os filhos, de ter amigos, de ter o básico. (Jornalista/Escritor EUGENIO SANTANA)

quarta-feira, 11 de abril de 2018

ESCRITOR PAULO COELHO: CANDIDATO À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA 2018 (*)

1 - Um "guerreiro da luz" sente quando é chamado, quando as sombras descem pelas colinas, o "guerreiro da luz" então tem de erguer sua espada-vela e iluminar o que parece sem esperança, teria dito o místico autor sobre parte de suas razões; 2 - Precisamos urgentemente fortalecer a educação, e um princípio que pode ser usado em nossas escolas é o fomento pela busca da lenda pessoal de cada estudante deste país, numa jornada de conhecimento como nunca vista antes, é uma das projeções para pauta educacional; 3 - O autor é o único brasileiro a estar entre os autores mais vendidos de todos os tempos, o que, segundo informes, poderia conduzir a afirmações que em seu mandato o povo finalmente poderia encontrar alguém sem a necessidade de pedir propinas, porque afinal, uma folga de 7 dias seria suficiente para que ele publicasse mais um bestseller; 4 - Além é claro de que o fato de ser o brasileiro vivo mais conhecido mundialmente, cuja filosofia é republicada em cópias de xerox por dezenas de países do terceiro mundo, e ter um histórico sem corrupção o coloca na frente de todos os outros candidatos adversários anima a equipe de campanha em prol de seu nome que já inicia campanhas com #PauloCoelho2018; 5 - Sem falar que embora não declarado oficialmente, fervoroso propagandista da pirataria on-line, a expectativa é de que novas leis libertárias no campo da legalização do seu download sejam trabalhadas pelo novo governo; 6 - Aliás, desde que o mundo passou a ser governado pelo Twitter, ou autor, um dos mais seguidos naquela plataforma, tem certeza de desempenhar melhor trabalho que Trump e companhia, e em termos de Brasil não tem para batê-lo em seguidores, ferramenta mais que estratégica para o sucesso em sua caminhada ao planalto; 7 - E Paulo Coelho é experiente em planejamento e caminhadas, uma rendeu-lhe O Diário de um Mago, e embora não tenha sido explícito, já há o planejamento para O Diário de Um Mago 2 - Diários do Governo, que Coelho jura não vai rivalizar com o diário de FHC; 8 - Entre suas promessas, muita cultura, Festivais Toca Raul, e claro, uma campanha nacional do ligando o foda-se aos haters e trolls, pois segundo o candidato seu governo terá muita mais paz e amor do que o Lulinha, sobre quem ele diz preferir não comentar; 9 - Perguntado se teremos Bolsa Alquimista, o candidato desconversa, mas diz que trabalhará fortemente pela literatura, toda ela, em para que cada brasileiro e brasileira possa cumprir sua lenda pessoal de forma digna e humana; 10 - Para finalizar, o autor mantém sua candidatura envolta por misticismo, mas não nega esboçar um sorriso quando provocado que se eleito, teremos enfim um presidente com ares europeus, de França, que aliás, ele terá de deixar por um tempo para viver no Palácio da Alvorada ou no Jaburu. Aliás, esta última palavra fez o autor tremelicar um cadinho por lembrar-lhe certo conde. (*) EUGENIO SANTANA é escritor e jornalista. Nove livros publicados. Membro da Academia Cachoeirense de Letras (ACL), da Associação Uruguaianense de Escritores e Editores e do Centro Cultural, Literário e Artístico de Portugal; sócio da ACI - Associação Catarinense de Imprensa e da UBE/SC - União Brasileira de Escritores, Florianópolis-SC. email: autoreugeniosantana11.11@gmail.com e WhatsApp (41) 99547-0100

AUTORES NEÓFITOS PERMANECEM NO OSTRACISMO AO PUBLICAR SEUS LIVROS "POR DEMANDA" (*)

1 - Preconceito: Acredito que este seja ainda um grande problema, pois os leitores tendem a geralmente desconfiar da qualidade dos livros editados sob demanda. A maioria na verdade não quer dispensar os já parcos recursos destinado a cultura em seu orçamento com apostas em obras desconhecidas. Isso acontece pelo fato de sim, muitas vezes termos péssimas obras editadas nesse sistema, ou até mesmo pela compreensão dos leitores (muitas vezes errônea) de que se o autor precisou pagar para publicar, ou então não chamou a atenção de uma grande editora, o livro não é bom. A verdade é que há duas verdades acontecem na publicação sob demanda, com de fato obras de qualidade duvidosa, mas da mesma forma promissores talentos que utilizam esta forma como porta de entrada para o meio editorial; 2 - Distribuição: Este é um problema que os autores sentirão na pele de forma mais acintosa. Mesmo com uma grande evolução nos números de comercialização de livros pela internet (especialmente em grandes sites como Submarino e Saraiva) a maioria dos livros vendidos no Brasil, e de forma esmagadora se dá na livrarias, onde as publicações sob demanda tem grande dificuldade de entrar. E isso reflete de forma considerável na velocidade de venda; 3 - Divulgação: Se há preconceito dos leitores, do mercado, não haveria de ser diferente com os meios de divulgação, e um livro publicado sob demanda conseguir uma nota em algum veículo de informação como jornais e tv só mesmo por milagre, até mesmo por que o espaço destinado à literatura geralmente é pequeno nos meios de comunicação, onde até mesmo as grandes casas editorias tem de brigar a tapa por uma nota ou uma resenha. Sobra então para a publicação sob demanda se apoiar em blogs, que a cada dia tem mais, e com péssimas qualidades, salvando 1 a cada 10, e olhe lá; 4 - Picaretagem: Se há grande demanda independente do setor que seja há espaço para picaretagem. E na literatura não seria diferente, e a cada dia crescem as reclamações de autores que pagaram para editar sob demanda. O problema que hoje há muitas editoras neste sistema, e com as mais variadas formas, das que não cobram nada do autor, mas também não ajudam, as que cobram um valor justo, e as que inclusive praticam assalto a mão armada quando o autor não pesquisa bem na ânsia de ver sua obra publicada; 5 - Custo: A diferença do custo de um exemplar impresso sob demanda e um em grande escala graças ao avanço tecnológico tem diminuído sistematicamente, mas ainda assim é mais caro publicar em poucas tiragens; 6 - Autor opta demais: Acredite, isto poderia ser uma vantagem já que em geral nos sistemas sob demanda os autores também investem na publicação isto os da maior liberdade de opinar e interferir nas demais etapas da publicação, o que poderia ser bom, mas que muitas vezes acaba prejudicando o desenvolvimento de outras questões do livro como capa e diagramação, onde o editor e os designer's é que teriam de ter esse controle maior; 7 - Retorno financeiro lento: Até é possível ter retorno financeiro com a venda de livros sob demanda, mas como por causa de um custo unitário mais elevado, o autor precisa trabalhar com uma margem de lucro quase irrisória o que acaba tornando mais lento a recompensa financeira do autor; 8 - Revisão: Recebo e muitas vezes compro ou troco livros nacionais em boa parte publicados sob demandas e de distintas editoras, e o problema mais recorrente que encontro são os excessivos erros de revisão. Até acredito que seja normal, já que em uma grande editora um original pode receber até 3 revisões, quanto em geral as editoras sob demanda contratam freelancers para uma única revisão. O problema é que isto ajuda a aumentar o preconceito, e ajuda a afastar leitores; 9 - Você precisar multiplicar-se: Normalmente o autor que publica sob demanda precisa se multiplicar por 10 para entender de marketing a técnicas de vendas para obter números positivos de forma mais rápida. Para quem publica sob demanda não se permite ser apenas autor; 10 - Demorar para formar um público leitor: Este pode ser talvez a grande desvantagem já que a edição só demanda é mais lenta e o autor precisara ter paciência e esperar pelo tempo até conquistar seu público leitor. E esta é uma parte que pode incomodar bastante principalmente para escritores que mais que um sonho, ou ganhar dinheiro, escrevem para compartilhar sua literatura como forma de expressão. Para autores assim o que mais desejam é possuir leitores, e de forma massificada; (*) EUGENIO SANTANA é escritor, editor e jornalista. Nove livros publicados. Membro da Academia Cachoeirense de Letras (ACL), da Associação Uruguaianense de Escritores e Editores e do Centro Cultural, Literário e Artístico de Portugal; sócio da ACI - Associação Catarinense de Imprensa e da UBE/SC - União Brasileira de Escritores, Florianópolis-SC. email: autoreugeniosantana11.11@gmail.com e WhatsApp (41) 99547-0100

sexta-feira, 30 de março de 2018

EDITORA POR DEMANDA: A EXPANSÃO DO GOLPE E DA EXTORSÃO (*)

A temática já é surrada por alguns que estão envolvidos na área, no entanto, vale a pena “ver de novo” para quem está chegando agora, para quem já chegou, ou para aqueles que ainda chegarão, cheio de inocência e expectativas... Escritores do meu Brasil, vou sair da hipótese que você é um autor neófito, com sonhos alados, determinado a publicar seu primeiro livro com uma editora por demanda. No processo de escolha (dos últimos cinco anos para cá, as editoras sob demanda, cresceram quase tão rápido quanto as igrejas evangélicas, deixando um leque faraônico de opções para você aderir), atente-se para alguns detalhes fundamentais: - O primeiro passo é pesquisar. Consulte informações sobre a editora, através do Google, das redes sociais, e principalmente, por meio de autores que publicaram com eles. Observe quantos livros a empresa tem publicado, a qualidade do material, o design nas capas, o preço final do livro para o leitor. Algumas gráficas editoras prometem comercializar seus livros, mas o preço final é exorbitante. Por mais que sua obra seja uma “coisa magnifica”, o leitor não terá acesso; nem ele, nem você, nem sua família. Pois meu amigo, um livro de 140 páginas onde a editora tem a pretensão de vende-lo como se tivesse 1400... tá de brincadeira, né? Para você ver, que o lucro delas é apenas com VOCÊ, quando VOCÊ paga para publicar. Eles não têm qualquer pretensão de vender sua obra, porque sabem que a maioria delas encalha, e empaca mesmo! - A coincidência entre uma editora e outra é que TODAS prometem muito, e TODAS cumprem pouco. O básico: Correção, Revisão, diagramação! Pelo amor do chapéu preto! NÃO confie na “revisão” dessas editoras; elas não revisam nada além do que o programa automático faz. Muito pelo contrario, aceitando cada proposta desses "revisores" (que não entendem português melhor do que você), ademais de NÃO corrigirem os erros no texto, ainda conseguem estragar aquilo que está certo! O serviço de correção é tão ruim, que eles conseguem errar o seu próprio nome na capa do livro. A dica é entregar seu arquivo com o mínimo de erros, corrigi-lo você mesmo varias vezes, entregar o texto para quem entenda do assunto e possa revisá-lo para você (um revisor profissional, dois ou três amigos feras no português), pois essas editoras NÃO terão qualquer carinho ou piedade na hora de “revisá-lo”. Creio que um macaco faz essas correções, um símio que aperta botões e aceita tudo, absolutamente TUDO que o Word recomenda! Não há ninguém minimamente capacitado para mexer no seu texto. Confie no que estou dizendo (e desconfie sempre dos macacos de circo, principiantes, que trabalham nessas editoras). - A primeira falha na conduta do escritor neófito é a pressa! As editoras se aproveitam da ansiedade de seu cliente, tal qual organizadores de festas de casamento se aproveitam dos noivos. Leia o contrato várias vezes, esclareça cada duvida, acrescente detalhes que são importantes e não constam no documento. Você pode viver sem as editoras, mas as editoras não sobrevivem no mercado sem VOCÊ! Uma vez assinado o contrato entre as partes, eles devolverão o seu texto em 15, 30 dias (revisado como a cara deles), “pronto para comercialização”. NÃO seja preguiçoso, revise (a revisão) várias vezes, faça um relatório de cada página e linha onde exista erros; exija que a editora arrume cada falha, pois tenha certeza, ele voltará com mais erros do que quando você o entregou. - Algumas editoras oferecem vantagens especiais com o pagamento à vista. NÃO seja idiota, céus! Você lembra de todo bom atendimento e amabilidade na hora da negociação? Esqueça! Depois que você faz o pagamento à vista, eles se mostrarão extremamente ocupados e o tratarão com um leve distanciamento, manipulando suas exigências. Você é nobre ao negociar com eles, mas passa ao status de plebeu após. Segure-os pelo dinheiro, parcele o pagamento nas condições máximas. Se alguém tiver que tirar vantagem na negociação, faça com que ela seja sua. NÃO se deixe enganar! Acerte cada detalhe antes de assinar o contrato, veja quais formas de comercialização que a editora oferece. Exija que os livros estejam nos sites de venda delas, imediatamente após a publicação, pois algumas gráficas “editoras”, embora prometam vender seu livro em suas lojas virtuais e livrarias, esquecem totalmente desse detalhe, e tanto você quanto seus leitores ficam a ver navios... A principio, eles o farão acreditar que sua obra será o “BUM” do milênio. NÃO se iluda! Eles sequer leem aquilo que publicam (tanto com sua obra quanto aquilo que eles produzem). Tem duvidas? Nos próximos posts, mostrarei alguns documentos na prática, o trabalho que uma dessas gráficas editoras vende como ouro no mercado... ouro para tolo, obviamente! (*) EUGENIO SANTANA é escritor, jornalista, ensaísta, biógrafo, revisor de texto e redator publicitário. Diretor de Redação da revista Cenário Goiano; Superintendente de Imprensa no Governo do Rio de Janeiro. Nove livros publicados. Da Academia Cachoeirense de Letras (ACL), membro honorário da Academia Uruguaianense de Letras e sócio da UBE/SC - União Brasileira de Escritores. email: autoreugeniosantana11.11@gmail.com e WhatsApp (41) 99547-0100