domingo, 14 de setembro de 2014

ADORADORES DO CAPITALISMO (*)

A mídia exalta quem é bafejado pelas bênçãos da fortuna. E exclui a turba anônima condenada à pobreza. O que traz o dinheiro não é apenas o poder mágico de amealhar bens, conforto, segurança e prestigio. É, sobretudo poder, a propriedade de impor a própria vontade às demais. Gente como Bill Gates, que possui bilhões de dólares impossíveis de serem usufruídos ainda que ele retornasse por varias reencarnações, não estocam tamanha fortuna por mera avareza, e sim porque ela o torna mais poderoso. A riqueza substitui, hoje, o sangue azul. Outrora a nobreza ocupava o topo da pirâmide social. Ser monarca era questão de destino dinástico. Nascia-se nobre. Hoje é o dinheiro que entroniza a pessoa no poder e, passado de geração em geração, assegura a linhagem nobre. Basta uma oscilação da Bolsa para derrubar reis e coroar plebeus. Qualquer arrivista sem caráter pode brilhar na sociedade desde que possua muito dinheiro.
(*) Eugenio Santana é Jornalista, Escritor, Ensaísta e publicitário. Membro da ADESG-DF – Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra