sábado, 18 de janeiro de 2014

OS LIVROS E A DOR PSÍQUICA (*)

O mais encantador e mágico canal de comunicação com a dor, pois através de histórias alheias reescrevemos a nossa própria e suavizamos os efeitos colaterais de estar vivo. Ler é o diálogo silencioso com nossos fantasmas. A leitura subverte nossas convicções, redimensiona nossos dramas, nos emociona, faz rir, pensar, refletir, recordar. Catarses intimidam a dor. Meditação. Religião. Contato com a mãe-Natureza. Viagens. Alguns poucos amigos. Solidão. Você decide por qual caminho irá dialogar com a sua dor, num enfrentamento que, mesmo que você não saia triunfante, ao menos fortalecerá sua personalidade. Quem não dialoga com sua dor psíquica, não a reconhece como a inimiga admirável que é, capaz de torná-lo um ser humano mais forte e livre e autosuficiente.
(*) Copydesk/Fragment by EUGENIO SANTANA é jornalista e escritor. Publicou cinco livros, entre os quais, “InfinitoEfêmero”, Editora Kelps, de autoajuda. É autor do Blog Guardião da Palavra. Pertence a mais de 30 instituições culturais do Brasil e Portugal. 20 prêmios literários em âmbito nacional.