quarta-feira, 21 de novembro de 2012

VIDA É MOVIMENTO. TRANSFORMAÇÃO. TRANSCENDÊNCIA (*)

Puro insight. Certeza absoluta: vida é movimento. Transformação. Transcendência. Toque de iluminação anímico, oculto, invisível, incognoscível. Muito além de cósmicos jardins? Silente convocação de gregos, egípcios, essênios, rosacruzes, templários, celtas, druidas , maias, astecas e cátaros. Insólita chama acesa no coração de um escritor? Andarilho do tempo e da florestrela? Levitação do escriba no ostracismo, exercitando, purificando, sublimando seu involuntário ócio? Velado e inusitado convite ritualístico para um Novo Despertar de Consciências? Mero e vero exercício incontrolável e inconcebível de narcisismo e êxtase intelectual? Asa do tempo. Flor do tempo. Rosazul alada de um surrealista amanhecer. Visão da aurora boreal. Sol da meia noite ou meia noite em Paris? Encontro lunar com lilith? Águas misteriosas e pantanosas do conhecimento rudimentar da cultura oral da Austrália? Oráculos dos deuses. Mitos e ritos. Olimpo do verbo. Luz tênue no túnel da vivência humana. Claridade ofuscante de sabedoria milenar. Ancestral registro akhásico... Anos-luz na travessia de espaço-tempo da filosofia que encanta, canta, dança, baila, esvoaça asas e revoluciona o céu estrelado de lábios ávidos que emitem incessantemente estilhaços-fragmentos de Palavras de Luz. Lembranças-saudade. Registros memoráveis falhos, mas, o coração aceso ilumina o cérebro. Inquire, busca e pesquisa. Não contém o frêmito e quer deixar impresso nos Cadernos do Tempo e nos pergaminhos da vida os valores éticos de um escritor e jornalista valoroso, ético e que, inapelavelmente, diariamente comete “sincericídio.” É preocupante aqueles que cultivam e cultuam a síndrome dos valores invertidos do século 21: cientistas, tecnólogos, sociólogos, doutores controladores da robótica-cibernética, desejam que a palavra-luz-ensinamento, o livro impresso, termine no labirinto escuro de abissal abismo no mais profundo fundo oceânico. Esses infelizes, enviados do “encardido”, ruminam em vídeo-texto; viciados virtuais. Abomináveis senhores confinados, não roubem meus leitores, please! Ainda assim, apaixonadamente lanço essas pérolas ao sabor de indomáveis ciclones. Silenciosos albatrozes sobrevoando o mar da mediocridade e hipocrisia. Revelo – e não é nenhuma novidade – que só o AMOR INCONDICIONAL e a EMPATIA salvam, regeneram, libertam, transformam; sublima, eleva e enleva. O AMOR resistirá, inexoravelmente, aos séculos e milênios! O Amor será a razão vital para a continuidade da VIDA no planetazul. Maktub. (*) Eugenio Santana é cronista, contista, ensaísta, jornalista, publicitário e editor. Autor de cinco livros publicados. Sócio da UBE/SC – União Brasileira de Escritores, Florianópolis/SC. Fundador do jornal “Verbo-Pássaro”. Foi Superintendente de Imprensa no Rio de Janeiro.

Nenhum comentário: