quinta-feira, 12 de julho de 2012

VIAGEM NO ESPELHO (*)




Fazemos esta viagem juntos. Como estão distantes os outros passageiros! Estarão no mesmo trem? Em que vagão? Na capota do carro? A bordo do avião? Os poetas configuram-se em metáforas fazendo uma viagem pelo espelho, voando por um mar de alegorias e aquele fruto é doce e está vermelho. Fazemos esta viagem juntos por dentro dos nossos manuscritos – fonemas e sons, nossos ministros. A poesia é descanso e prisão, um balanço, uma lua, uma rede. No mais, o resto é a separação, o inter/dito. Os poetas são ânforas com sede.

(*) Copydesk/fragment by Eugenio Santana. Para Angélica Ferreira)