segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

SE NEM FREUD RESOLVE, ENTÃO TENTE A POESIA!




Não adianta fugir de seus medos, suas dores, suas fragilidades, suas tristezas. Elas sempre correm juntinho, coladas em você.

Entregue-se, seja apenas um ser humano cheio de dúvidas e certezas, alegrias e aflições. Aproveite e use algo que é igual em todos nós: a capacidade de imaginar, de voar, se entregar. Se nem Freud lhe explica, tente a poesia.

A poesia vai resolver seus problemas existenciais? Provavelmente não.

O próprio pai da Psicanálise, Sigmund Freud, depois de passar a vida debruçado sobre os mistérios do sexo, os grilos na cuca, os gritos do corpo, os sussurros da alma, admitiu que aonde quer que ele fosse ou olhasse um poeta já havia passado por ali.

(Eugenio Santana – copydesk/fragment/releitura)