segunda-feira, 27 de junho de 2011

STF: UM ANDRÓIDE OU ANDRÓGINO EQUIVOCADO? (*)






A meu ver, a decisão mais equivocada, questionável e tendenciosa de toda a história do STF: permissão do casamento ou união estável, com direito ao registro em cartório, de casais gays e/ou homossexuais.
Isto é um absurdo abominável, inconcebível e inconstitucional. Enfim, uma completa inversão de valores. Uma vitória infeliz da mediocridade e da hipocrisia.
Afinal, os ministros, em sua maioria, da Corte Suprema, possuem filhos gays? Sei que são nomeados pelo Poder Executivo. Então, questiono: há interesse da Presidência da República em apoiar o minoritário movimento gay?
Sei que o ministro Joaquim Barbosa - meu amigo de infância, visto que ambos somos contemporâneos e conterrâneos oriundos da histórica Paracatu-MG - não seria capaz de apresentar seu voto favorável a essa aberração ou magnífica farsa. Sei que ele tem problemas de saúde e, que embora ainda jovem, talvez o tenham aposentado e, via de conseqüência, estaria fora de combate.
A coragem, a ousadia, a criatividade, o discernimento, o bom senso e a busca incessante da verdade são características típicas dos mineiros e só podia ser um jovem magistrado mineiro de Uberaba, radicado em Goiânia, para agir com bravura, questionar e ousar desafiar o poderoso STF com o sólido argumento da Carta Magna – a Constituição Federal do Brasil que, em sua essência, nitidamente conceitua o que é, verdadeiramente, um núcleo familiar. Meu profundo respeito, apoio, solidariedade e perene admiração pelo meritíssimo juiz Jeronymo Pedro Villas Boas.
A atitude de escrever esse artigo se originou pelo fato de ser pai de duas filhas e um filho. Por respeito a eles que são fruto de um casamento autêntico, legítimo, original. Família se constitui por meio de um homem e uma mulher que se amam e são capazes de procriar; gerar filhos e criar sua prole. Está no Livro Sagrado – lei de Deus; está na Constituição federal – lei dos homens.
Quanto mais civilizados se tornam os homens, mais eles se tornam atores. Querem exibir-se e fabricar uma ilusão. Tenho tentado suprimir em mim as razões que homens invocam para existir e para atuar. Tenho tentado chegar a ser normal, e eis-me aqui perplexo, no mesmo plano que os imbecis e tão vazio como eles. Diante de um tribunal absoluto, apenas os Anjos seriam absolvidos.
No apogeu se procriam valores que, no crepúsculo, gastos e desfeitos, são abolidos. Fascinação da decadência, épocas em que as verdades já não possuem vida... em que se amontoam como esqueletos na alma pensativa e seca, no ossário dos sonhos mortos.
Neste mundo nada está em seu lugar, começando pelo próprio mundo. Não há que assombrar-se então com o espetáculo da injustiça humana. É igualmente inútil repudiar ou aceitar a ordem-social: somos obrigados a sofrer suas mudanças, para melhor ou para pior, com um conformismo desesperado, como sofremos com nascimento, amor, clima ou morte.
Se em algum caso extremo se pode governar sem crimes, é impossível fazê-lo sem injustiças. Espero, sinceramente, na condição de pai e cidadão brasileiro, que o STF reveja, com a máxima brevidade, seus conceitos e, em casos polêmicos e delicados, que promova plebiscito e dê atenção, em primeira instância, ao clamor popular e aos multiformes segmentos da sociedade. Maktub!

(*) Eugenio Santana, escritor, jornalista. Da Academia de Letras do Noroeste de Minas (ALNM-MG); da Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra (ADESG-DF); da Associação Catarinense de Imprensa (ACI); livros publicados.

LEIA ÚLTIMA PESQUISA PERTINENTE AO POLÊMICO ASSUNTO:

Mais da metade dos brasileiros são contra união gay, diz Ibope
DE SÃO PAULO

Uma pesquisa do Ibope Inteligência divulgada nesta quinta-feira mostra que 55% dos brasileiros são contrários à decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que reconheceu a união de casais do mesmo sexo.
Veja os principais resultados da pesquisa
Maioria é contra adoção por casal gay no Brasil
O estudo, realizado entre os dias 14 e 18 de julho, identifica que as pessoas menos incomodadas com o tema são as mulheres, os mais jovens, os mais escolarizados e as classes mais altas.
Sobre a decisão do STF, 63% dos homens e 48% das mulheres são contra. Entre os jovens de 16 a 24 anos, 60% são favoráveis, enquanto 73% dos maiores de 50 anos são contrários.
Considerando a escolaridade, 68% das pessoas com a quarta série do fundamental são contra a decisão, enquanto apenas 40% da população com nível superior compartilha a opinião.
Nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste, 60% são contra. Já no Sul a proporção cai para 54% e, no Sudeste, 51%.
"Os dados mostram que, de uma maneira geral, o brasileiro não tem restrições em lidar com homossexuais no seu dia a dia, tais como profissionais ou amigos que se assumam homossexuais. Mas ainda se mostra resistente a medidas que possam denotar algum tipo de apoio da sociedade a essa questão, como o caso da institucionalização da união estável ou o direto à adoção de crianças", afirma Laure Castelnau, diretora do Ibope Inteligência.
Questionados se aprovam a adoção de crianças por casais do mesmo sexo, a proporção de pessoas contrárias é a mesma dos que não querem a união gay: 55%.
A pesquisa ouviu 2.002 pessoas com mais de 16 anos em 142 municípios do país. A margem de erro é de dois pontos percentuais, com 95% de intervalo de confiança. 28/07/2011.

quinta-feira, 23 de junho de 2011

GUARDIÃO DA PALAVRA




Senhor do Alfa-Ômega
Guardião da Palavra
onde inscrever a abstração do símbolo?

Onde o vocábulo não traçado
idéia comunicada
forma e sentido?

A esfera murmura o ciclo imutável.
Há um enlear de susto no espaço
que se curva...

Como conter nos signos inventados
o imponderável
da linguagem futura?

Palavra-pensamento
separados
-- asa levantada
instintos de raiz.
O pensamento pensa.
A palavra não diz.
Vem.
Sem mágica ou encantamento.
Nenhum filtro.
Os poros abertos ao entendimento
e o passo curtíssimo
da vida
no infinito.
Amor – o Anjo.
A porta alonga para mais fundo
dentro do mundo
e tu
aqui!

Vem.
Aquele fruto impoluto
ao toque dos dedos desajeitados
vacila, espera, enrubesce e cai.
Nasceste redimido
ou não terias nascido
-- para quê?
Em teu berço gerado, ao teu lado
o uni/verso.
O impulso que te inventa
movimenta o círculo fechado.
Não existiu antes
nem existirá depois
de ti.

Vem.
Imaginemos a luz o nosso rumo alado.
Verás inexistência
onde crias.
Total a inteligência
quando pensa
faz.

Onde o caos?

Tudo é sereno e pleno.
Mesmo o nada importa um traço
lançado antes de ser.

Ao astro a iridescência.
À célula viver.

(Copidesque/fragmento/releitura por Eugenio Santana, FRC.)

terça-feira, 7 de junho de 2011

NÃO HÁ RESTRIÇÃO EM SER FEIO OU BONITO, BAIXO OU ALTO, GORDO OU MAGRO. NÃO HÁ PROBLEMA EM SER LINDO (*)




LEMBRE-SE de que a floresta vivia em completa harmonia com Ártemis. Quando a deusa caiu, perdeu o respeito pela floresta. Mas quando recobrou a consciência, foi de flor em flor, dizendo: “Desculpe. Agora voltarei a tomar conta de você”. E seu relacionamento com todos os seres da floresta tornou-se novamente uma ligação amorosa.
Seu corpo é a floresta, e, se você aceitar essa verdade, dirá a ele: “Desculpe. Voltarei a tomar conta de você”. O relacionamento entre você, seu corpo e todas aquelas células vivas que dependem de seus cuidados se tornará a mais bela das ligações.
Seu corpo é perfeito do jeito que é, mas todos nós temos muitos conceitos sobre certo e errado, bom e mau, bonito e feio. São apenas conceitos, mas acreditamos neles, e é aí que reside o problema. Com a imagem de perfeição que temos na mente, esperamos que nosso corpo tenha uma determinada aparência, que se comporte de um certo modo. Rejeitamos nosso próprio corpo, que é totalmente fiel a nós. Mesmo quando o corpo não consegue fazer alguma coisa, por causa de suas limitações, nós o pressionamos, e ele, pelo menos, tenta.
Não há nenhum problema em ser feio ou bonito, baixo ou alto, gordo ou magro. Não há nenhum problema em ser lindo. Se você atravessar uma multidão, e as pessoas lhe disserem que o acham muito bonito, você pode responder que sabe disso, agradecer e seguir em frente, porque os elogios não fazem a menor diferença. Mas farão, se você não acreditar que é bonito, e as pessoas disserem que é. Nesse caso, você pergunta: “Sou, mesmo?” A opinião dos outros pode impressioná-lo, claro, e isso faz de você uma presa fácil.
O que importa não é a opinião dos outros, mas a nossa. Somos bonitos, mesmo que a mente diga o contrário. Isso é um fato. Não precisamos fazer nada, porque já possuímos toda a beleza de que necessitamos. Não precisamos dever obrigações a ninguém para sermos bonitos. Os outros são livres para ver o que desejarem ver. Se olham para nós e nos julgam, achando-nos bonitos ou feios, essa opinião em nada nos afetará, se estivermos conscientes de nossa beleza e a aceitarmos.
As pessoas resistem ao envelhecimento porque acreditam que os velhos não podem ser belos. Essa é uma crença completamente errada. Um bebê recém-nascido é bonito. Bem, um velho também é.
Somos o que acreditamos ser. A única coisa que temos a fazer é ser o que somos. É nosso direito achar que somos bonitos. Podemos honrar nosso corpo, aceitando-o do jeito que ele é. Não precisamos do amor de ninguém. O amor vem de dentro de nós. Mora em nosso íntimo e sempre estará lá, mas não o sentimos, porque ele está escondido atrás de uma muralha de nevoeiro. Só podemos perceber a beleza que existe fora de nós, quando “sentimos” a beleza que temos por dentro.


(*) por Eugenio Santana, escritor, jornalista. Integrante da ADESG-DF, ALNM-MG, UBE-GO/SC, AMORC-PR, SJPDF e Greenpeace-SP. eugeniosantana9@uol.com.br