quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

TANTA PAIXÃO NÃO CABIA NA CAMA, NO QUARTO, NA CASA, NO MUNDO...




Assim no meio da tarde, entre oscilações dos índices do mercado, a queda das ações e a subida do euro, o grito dos pregões e a nova taxa de juros, bate inesperada vontade de vê-la, falar-lhe, tocá-la, no aconchego do quarto ilustrado pela foto dos pára-quedistas (sou um deles) de mãos dadas no ar, no mergulho livre que antecede o esticar de cordas e de corpos, e experimentar o imponderável.
A vida é feita de detalhes: um encontro casual, a atração, o fascínio, reencontros, a fusão de corpo e alma. Dia após dia, o caminho é aberto no próprio caminhar como quem, sobre a ponte arqueada no tempo, desafia a lei da gravidade e, suspenso no vazio, agacha-se para acrescentar mais m palmo de piso.
O amor é um mistério. Tantas pessoas e, no entanto, esta pessoa. Há qualquer coisa que transcende as aparências, os sentidos e todo o arsenal interrogativo da razão. Aos olhos da fé, dom de Deus. O coração acorda um dia povoado pela presença do outro e esse sentimento inunda, devasta, sufoca, liberta, irrompe indizível, marca para sempre. É terno.
Guardo em mim secreta coleção de fotos: o reflexo da luz sobre o corpo nu, o risco marítimo nos azulejos do banheiro, chaplinianas brincadeiras quase infantis e o relógio da sala com os ponteiros congelados no infinito. A saudade brotava nela como uma flor de sangue sedutoramente perfumada.
Ela trazia uma cativante cicatriz na coxa esquerda e, do outro lado de si, me encontrou. Em seus abraços não havia braços, havia berços.
Tanta paixão não cabia na cama, no quarto, na casa, no mundo. Entregava-se a mim como um pássaro a seu vôo. E aninhava-se, frágil e doce, na aberta asa do meu tórax.
Por amor a ela, eu queria apenas ser fiel a mim mesmo.

(por EUGENIO SANTANA - escritor laureado e autor de livros publicados; jornalista profissional de mídia impressa; poeta, publicitário e editor. Membro efetivo da Academia de Letras do Noroeste de Minas (ALNM), cadeira número dois; sócio efetivo da UBE/SC-GO – União Brasileira de Escritores. Escrevo e publico a partir dos meus 16 anos de idade, com um só propósito: transmitir Palavras de Luz que possam acrescentar algo na vida de meus leitores. Busco a Transcendência através da Literatura em seus variados gêneros. Escrever é minha Missão.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário