quinta-feira, 8 de julho de 2010


Nódoa – mancha na alma.
Nó na garganta – profunda de desencanto.
Afônico ou microfone cortado?
Nó. Dó. Dói. Dor – coração-partido.

Há silên-cio que fala – no obelisco alado?
falo fora de combate...
nó-civo cinismo teu
nó de goteira – define tua persona.

Nó em gravata? – jamais executei
existem os lacaios que o fazem
Nó. Enforca. Sufoca. Priva. Aprisiona.
Nó: retira-se com luva de pelica.

Nó na hora exata – desata.
Enfim, liberto-me
de tuas armadilhas teatrais;
de tuas teias de tarântulas.
Sem nó – só e feliz.
Nó que desatou – Nós.
Nós? Um Vôo nas asas azuis do esquecimento!

(EUGENIO SANTANA, FRC)

Madureira Shopping – 13h18m
Rio de Janeiro, 08/7/2010 – texto inédito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário