sábado, 17 de julho de 2010

HOMEM DE BRANCO (*)


Sutis nuanças.
Oníricas lembranças.
Marítimas andanças...

Lilith ameaça Afrodite
embarcadas no navio - sob forte nevoeiro
do Homem de branco.

Plebeu, andarilho, Hermes, Adônis
Orfeu, cigano, pirata, Judeu Errante?

Velho vate venerável
Bardo sensitivo
e Vidente.

Navios singram mares
Pusilânimes - os que não acenam no cais;
Medrosos - não conhecerão o sabor da Aventura
na companhia do Homem de branco - seu Albatroz
(a Dor atroz)
e a exótica-misteriosa tripulação...

(EUGENIO SANTANA, FRC – POETALADO: livros publicados,
Sócio efetivo de instituições culturais do Brasil e Portugal.
Crítico literário, jornalista e copy-desk.)

(*) Fonte: extraído do meu livro “FLORESTRELA”.
Hórus/9 Editora, Goiânia-GO, 2002, página 97.

Nenhum comentário:

Postar um comentário